O Olimpo

Na mitologia grega, o Monte Olimpo é a morada dos Doze Deuses do Olimpo, os principais deuses do panteão grego. Os gregos pensavam nisto como uma mansão de cristais onde os deuses habitavam. musas

Sabe-se também, na mitologia grega, que, quando Gaia deu origem aos Titãs, eles fizeram das montanhas gregas, inclusive as do Monte Olimpo, seus tronos, pois eram tão grandes que mal cabiam na crosta terrestre.

No Olimpo, os deuses passavam o tempo em maravilhosos palácios, eternamente em festa. Comiam a ambrósia e bebiam o néctar, alimentos exclusivamente divinos, ao som da lira de Apolo e do canto e dança das Musas. 

Zeus era o chefe absoluto de todos.

A esplendorosa corte dos deuses ficava no alto dos picos do Olimpo, um monte majestoso como uma fortaleza.  Os palácios eram de puro ouro, imponentes, radiantes e luminosos como os próprios deuses.

carites-gracasLogo na entrada, ficavam as 3 lindas Horas.  Tinham o encargo de afastar as nuvens, para que o céu brilhasse sempre.  O sol iluminava os palácios com sua luz puríssima e nenhuma luz jamais lhe fazia sombra.  Na morada dos deuses jamais chovia nem soprava vento.  O clima era perfeito: nem frio nem quente demais.  Quando os deuses saíam as Horas escondiam os palácios com um véu de nuvens, mas, assim que eles voltavam, as 3 afugentavam as nuvens para que tudo voltasse ao brilho anterior.

A vida no Olimpo era uma beleza!  Durante as reuniões, os deuses comiam ambrosia e tomavam néctar.  Eles desfrutavam da alegria da eterna juventude porque jamais envelheciam. 

As graciosas Graças e as Musas os alegravam com suas danças e canções.  Dando-se as mãos, elas dançavam carites04_jpg2e cantavam tão harmoniosamente, que os deuses entravam em transe, fascinados pela beleza do espetáculo.  Quando elas terminavam a apresentação, dedicavam um hino de louvor a Zeus.

Também vivia no Olimpo, uma generosa deusa que distribuía apenas boas coisas entre fortunamarkovos homens.  Era a deusa da felicidade e das riquezas, a Fortuna.  Seu instrumento mágico era a cornucópia.  Passeando pelo mundo, a Fortuna ia despejando sobre os homens, os ricos benefícios que saíam da cornucópia.  Essa deusa andava sempre com os olhos vendados para poder despejar os benefícios ao acaso.  Às vezes, eles favoreciam um homem justo: de outra, favoreciam o injusto.  Certas ocasiões, quem os colhia era o trabalhador; de outras, o preguiçoso era quem tirava proveito.  Quem conseguisse cruzar os caminhos da deusa, podia considerar-se uma pessoa de sorte, pois a Fortuna fatalmente lhe despejaria os mil benefícios que saíam de sua cornucópia.

1 Comentário

  1. kathia said,

    2 de maio de 2010 às 5:30 PM

    foi bom


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: